Rockstars e o Crossdressing – por Suzana Rodrigues

Há muitos anos em que o crossdressing está presente mas foi à partir dos anos 70 que o crossdressing passou à ser perceptível no mundo dos Rockstars.

Independentemente da preferência sexual, o estar produzido (a) com roupas de outro gênero como por exemplo, Mick Jagger e Jerry Hall, casal que em 1978 estiveram na festa de aniversário de Kenzo Takada (estilista).

Jerry Hall e Mick Jagger (1978) no Le Palace Theatre em Paris/França

Uma das frases marcantes ditas por Jagger foi “If God wants me to be a woman, then a woman I will become.” (Se Deus me quer como mulher então mulher eu serei” – Mick Jagger – 1978)

Outro ícone do Rock, considerado como camaleão fez jus pela androgenia e teatralidade evidente onde o gosto de se produzir em femme em vários momentos de sua carreira era evidente, que talvez, seja ele o percussor de quebra de alguns tabus quanto ao se travestir não importando o que é ou não dito pela mídia negativa.

 

 

No aniversário de 67 anos, o ex-vocalista do Black Sabath se produz como Drag Queen no “Show Palace and Restaurant” em Nova Iorque, Estados Unidos…que ainda que casado, rockeiro, teve seus momentos e agir como uma atriz, que é o nós crossdressers sentimos ao vestir-se com roupas do sexo oposto.

O que falar de Queen, onde o próprio nome da banda já mostra que a “Rainha” está presente dentro de toda crossdresser..levar à tona ou não é uma opção, mas o mais importante é mostrar à sociedade que não importa o que cada um (a) veste mas sim o que está dentro de si!!

Poderia estender à tantos outros Rockstars como Antony Kiedi e Flea, Iggy Pop, Kurt Coubain, Alice Cooper, Boy George, Marylin Manson..mas todos não devem olhar sob ponto de vista do que vestem mas sim pelo que realmente são!!

beijos

   Suzana Rodrigues